sexta-feira, 6 de julho de 2007

Anomalias - Conto a conta-gotas

V.
A testemunha e a carta

Na novela da 4 havia um homem que esperava. Toda a sua vida tinha esperado. Esperado que a sorte lhe batesse à porta, esperado que o amor lhe batesse à porta. Os dias passavam, a campainha tocava, voltava a tocar, insistia novamente, mas ele nem se mexia. Tinha medo, medo que fosse o azar a bater-lhe à porta. Ou então um daqueles meninos chatos a quererem fazer inquéritos à hora do jantar, ou então o sacana do guarda nocturno (a pé a desoras!) a cobrar não sei o quê ou que mensalidade com um ar de quem nos olha e diz «se não passas para cá a massa parto-te o carro todo», ou, quem sabe até, um par de senhoras idosas a quererem vender a fé de Cristo para ajudar à construção de uma igrejola lá na sua freguesia, quem sabe mesmo, uma testemunha de Jeová perguntando se Deus já me visitara! Certa tarde a campainha da porta soou insistentemente, parecendo mais que quem tocava fosse um cobrador, um daqueles tipos de fato negro apostados em só desandar dali para fora quando as dívidas fossem saldadas. O homem que esperava, que toda a sua vida tinha esperado e que, por medo, nunca atendia a porta, nesse dia estremeceu. Enterrou-se no sofá a ouvir a estridência da campainha à medida que suores frios lhe iam assolando o corpo e, quando finalmente, já ao fim da tarde, quem lhe batia à porta desistiu de o fazer, descobriu que tinha ganho uma brutal enxaqueca. Só alguns dias depois, quando recebeu uma carta registada, soube que perdera a oportunidade da sua vida – o amor batera-lhe à porta e ele não atendera. «Lamentamos informá-lo mas acaba de perder a oportunidade de conhecer o amor da sua vida.» O homem caiu então num choro terrível, num berreiro que mais parecia estarem ali a abrirem um porco à facada, e foi uma chatice. Lá no prédio foi uma enorme chatice porque, a partir desse dia, já ninguém conseguia pregar olho.

Cenas da próxima gota:

Houve então um homem, o do 7º esquerdo... ... Todos protestaram ao vê-lo acercar-se perigosamente da marquise... Donde que lhe suplicaram que desistisse dos seus intentos...

1 comentário:

a.filoxera disse...

Já ficou registado: temos de ter atenção à porta.